A corrida pela borracha natural ou como processos locais e histórias globais moveram o mundo

Participation de Tiago Muniz au Coloquio Paisajes americanos @Compostela2023, lors de 2e assemblée européenne d’Archéologie des Amériques, du 19 au 21 avril 2023.

Résumé de sa présentation :

O caso da borracha é provavelmente o melhor exemplo de colonialismo botânico na história mundial. Durante o século XIX, tornou-se cada vez mais comum adquirir espécies de outros territórios dada a intensa circulação de itens entre as metrópoles e colônias. Em 1876, o inglês Sir Henry Wickham enviou 70.000 sementes de Hevea brasiliensis do Baixo Amazonas (Pará, Brasil) para os Jardins Botânicos Reais de Kew (Londres, Reino Unido). A partir dessa transferência de sementes, o monopólio da produção de borracha na Amazônia foi ameaçado por uma série de inovações técnológicas subsequentes, incluindo a criação de novas plantas, organização de plantations, padronização de técnicas de corte e organização do trabalho. Com efeito, as plantações de borracha se tornaram investimentos lucrativos em todo o mundo, com diferentes espécies e atores envolvidos. A alta demanda por itens de borracha para a indústria (vedações para motores, equipamentos de proteção pessoal e pneus) e medicina (luvas cirúrgicas) fez com que a corrida pela borracha aumentasse cada vez mais. O declínio da economia da borracha no Brasil (1850-1920) impactou seringueiros e povoados inteiros que foram deixados para trás – e ainda podemos ler essas histórias de dominação da natureza persistentes na paisagem. A presente pesquisa visa identificar, de maneira ampla, os tipos de borracha, empresas e personagens históricos que desempenharam um papel importante na circulação colonial de plantas e conhecimentos ao redor do mundo, com foco especial na comparação dos esforços dos impérios britânico e francês na luta pela borracha. Dessa maneira, os debates aqui suscitados versam sobre a história da ciência e tecnologia, papel do sul global, commodities, globalização e as materialidades da borracha e humanidades ambientais. Através de uma arqueologia da borracha é possível ainda estimular visão crítica dos impactos das commodities na Amazônia e no mundo, levando em conta as percepções do ambiente em comunidades impactadas por essa indústria e como se relacionam com esse patrimônio industrial. Por fim, ao analisar as evidências materiais da produção e circulação de borracha, é possivel melhor compreender as situações dos trabalhadores e os contextos em que a borracha foi produzida e comercializada, onde se destacam impactos ambientais e crimes contra a humanidade.

Palavras-chave: antropologia histórica, arqueologida do presente, arqueologia da técnica, antropologia da globalização, Amazônia.



Citer ce billet
Emilie Stoll (2023, 24 avril). A corrida pela borracha natural ou como processos locais e histórias globais moveram o mundo. EXORIGINS : De la diversité bio-culturelle dans les jardins des parisiens. Circulations croisées de végétaux, de personnes et d'imaginaires. Consulté le 13 juin 2024, à l’adresse https://doi.org/10.58079/onua

Laisser un commentaire

Votre adresse e-mail ne sera pas publiée. Les champs obligatoires sont indiqués avec *

Ce site utilise Akismet pour réduire les indésirables. En savoir plus sur comment les données de vos commentaires sont utilisées.